O que é diástase e como ela ocorre nas gestantes?

Postado em 16/04/2019



A parede abdominal é composta por um grupo de diferentes músculos do tecido conjuntivo, no qual estão os retos abdominais, duas faixas musculares localizadas na parte inferior do abdômen, uma de cada lado da barriga. Entre os músculos, há uma separação comum de 1 a 2 cm; porém, quando ocorre a diástase abdominal, esse espaço se expande, chegando até a 10 cm de separação. A diástase geralmente acontece durante a gravidez, sendo a principal causa de flacidez abdominal, dor lombar no pós-parto – às vezes nas coxas e nádegas também –, hérnia umbilical, dificuldade para realizar alguns movimentos que exijam força muscular abdominal e até incontinência urinária.

Existem outras causas de diástase do reto abdominal, como excesso de peso, desnutrição, aumento da pressão intra-abdominal (em decorrência de um tumor, por exemplo), relaxamento muscular causado por hormônios da gestação, tamanho do bebê e até excesso de líquido amniótico.
 

Por que a diástase abdominal acontece?

A condição geralmente está associada, primeiro, a uma fragilidade da parede abdominal, ou seja, os músculos da região não são fortes o suficiente ou já foram submetidos muitas vezes a exercícios errados que os deixaram lesionados. Algumas situações que favorecem o desenvolvimento da diástase abdominal são: ter mais de uma gestação, gravidez de gêmeos, bebê com mais de 4 kg ao nascer e idade da gestante superior a 35 anos.

A diástase é uma doença rara, apenas 5% das gestantes apresentam essa condição durante a gravidez ou após o parto. Ela também é mais comum nas gestantes que estão com sobrepeso, em comparação com mulheres não gestantes ou com homens, pois as alterações hormonais também contribuem para seu surgimento.
 

Atitudes que previnem a condição

As duas formas mais eficazes de evitar um quadro de diástase abdominal incluem controlar o peso em qualquer situação – no caso das mulheres, principalmente durante a gestação – e realizar exercícios físicos que fortaleçam a musculatura da região. Uma alimentação saudável, rica em proteína, também pode ajudar no fortalecimento dos músculos.
 

Interessou-se pelo assunto? Aproveite e confira os cursos de pós-graduação EAD oferecidos pela Pós Universidade Brasil. Este e muitos outros assuntos serão abordados para a atualização de seu conhecimento.
 

Fonte: blog.drconsulta.com; tuasaude.com; minhavida.com.br